SEJAM BEM VINDOS!

ÚLTIMO DESABAFO

As pessoas me perguntam como eu estou depois de mais de 1 ano depois da perda do meu filho e sinceramente eu não sei ao certo como ficamos depois de uma perda tão drástica, tão dolorosa na vida de uma mulher. Ando conversando com meu marido e as vezes eu falo pra ele que eu não sei como sobrevivi a isto, como eu consegui viver, continuar a vida...Na verdade só sabemos o quanto somos fortes quando passamos por uma situação onde há apenas uma escolha: ou você vive(mesmo que carregando os cacos) ou se entrega e vai junto. 
Eu no início a perda eu estava aérea, não sabia ao certo o que estava acontecendo, quem já passou por isto vai saber exatamente o que estou falando, não se sabe ao certo o que sentimos, o desespero é tanto que penso que o próprio cérebro se encarrega de nos "desligar" um pouco deste mundo e as percepções vão ficando estremecidas e quase que co-habitam com a gente, sem demonstrarem qualquer sinal de sobrevivência, você simplesmente está viva, ali e não sabe como vai ser daqui pra frente. Eu vivi tudo que se possa imaginar neste 1 ano e pouco, eu tive pulsões de morte, choros incontrolaveis, fé em prova, e hoje eu sinto que a pessoa não pode viver sem a fé, se naõ fosse a certeza que tenho que Deus esteve comigo em todos os momentos, eu já teria sucumbido. 
Lembro-me de todas as movimentações daquele dia que seria então o dia do nascimento e não da morte do meu filho, e uma cena que me marcou muito foi que lá na mesa, estirada recebo a pior notícia da minha vida, que não haviam mais batimentos cardíacos em meu filho, eu estremeci cada parte do meu corpo e senti meu sangue parar de fluir nas veias, o médico saiu um pouco e eu e meu marido demos as mãos e clamamos a Deus que ressuscitasse o nosso filho que o "seguiríamos' o resto da vida, pedimos com tanta fé que parecia que havíamos nos transportado ao encontro de Deus, mas o fato não aconteceu, nosso filho não voltou ao folego de vida, mas entendemos que não podia mais, pois ele ja estava aos braços do Pai e que um dia, teríamos a restituição. 
Infelizmente eu não vou findar minhas palavras aqui pois vou ver muitas mães perdendo seus filhos, no início a gente quer uma palavra de consolo, uma solução imediata, mas isto não funciona, as coisas precisam tomar seu lugar, precisamos organizar a nossa vida e o que posso dizer as que passaram por tamanha perda recentemente é que tudo vai chegar no seu lugar, a dor vai permanecer ali, quieta, no seu lugar e vamos ser, de certa forma, obrigadas a seguir em frente, talvez não por nós, mas por nossos filhos que se foram e pelos que estão chegando.
Talvez a maior prova de fogo do ser humano seja permanecer com fé diante de uma situação como a perda do filho, mas digo, nunca deixem de acreditar, pois um dia, não muito distante compreenderemos tudo isto.
Hoje se me perguntarem como você se sente depois de tanto tempo, eu digo: pra mim é como se tivesse sido hoje, mas o meu coração descansa e espera em Deus. A dor está aqui, vive em um lugar que é seu, mas eu segui a vida, estou aqui e talvez esteja servindo de exemplo para muitas pessoas. 
Por meu filho Lucas sigo em frente, por meus bebezinhos sigo em frente.

CAMPANHA GRÁVIDAS EM ORAÇÃO SEGUNDA SEMANA


Obrigada Senhor por estarmos aqui mais uma semana para elevarmos a nossa voz ao alto e para pedir a ti a sua misericórdia em nossas vidas. Eu peço a ti por todas que hoje estarão reunidas uma em favor da outra, no mesmo propósito que é a saúde de nossos filhos e a vitória em nossas gestações. 
Tira o medo da perda, da dor, nos torne fortes...
Deixo hoje uma música que ouvi por acaso há um tempo atrás e que me tocou muito, espero que ela toque o coração de todas nós.
"...CREIA PORQUE O PODER DE UM CLAMOR PODE RESSUSCITAR...!!!! 
video


Ultrassom morfológico de segundo trimestre


O que é o ultrassom? O ultrassom (também chamado de ultrassonografia ou ecografia) é um exame não-invasivo que usa ondas de som para criar uma imagem do bebê, da placenta, do útero e de outros órgãos. Com ele, o médico tem acesso a informações importantes sobre o progresso da gravidez e sobre a saúde do bebê.
O ultrassom prejudica o bebê? Estudos realizados ao longo dos últimos 35 anos não mostraram nenhuma indicação de que a ultrassonografia seja prejudicial. Há quem diga que o exame incomoda o bebê, mas não há pesquisas mais aprofundadas que comprovem isso. Como o som não é audível ao ouvido humano, não deve ser detectado pelo bebê.  Ultrassons não envolvem radiação, como é o caso de raio x.
Por outro lado, os especialistas recomendam não exagerar nesse tipo de exame, já que ultrassons são uma forma de energia e pode ser que afetem o bebê, mesmo que ainda não se saiba como. O cuidado deve ser maior principalmente no primeiro trimestre, quando o bebê é mais vulnerável a fatores externos.
Para não ficar confuso demais, pense assim: não é preciso ter medo de fazer ultrassons, mas não fique fazendo um monte só por curiosidade de ver o bebê.
Ultrassom morfológico
Época da realização do exame: 18-24 semanas (ideal realizar entre 20-24 semanas)
Essa é a ultrassonografia mais detalhada, que pode levar mais de meia hora. Ela é feita por volta das 20 semanas, e nela já dá para ver o sexo do bebê. O ultrassonografista vai verificar o coração do bebê e suas câmaras, a formação do cérebro, os órgãos digestivos e outros sistemas. Também vai medir a cabeça do bebê e o fêmur, o osso da coxa, para ver se o crescimento está dentro da média.
No exame também é possível determinar a localização da placenta. Se ela estiver bloqueando a abertura do colo do útero (placenta prévia), o médico vai pedir novos ultrassons para ver se ela mudou de lugar. Na grande maioria dos casos ela muda. No caso de ela ainda estar cobrindo o colo do útero no fim da gestação, o bebê terá de nascer obrigatoriamente de cesariana.
O exame pode ser feito com doppler, um sistema que mostra o fluxo de sangue no útero, na placenta e no bebê, com as cores azul e vermelha.
Se o médico desconfiar de alguma anormalidade, pode pedir a realização específica de um ultrassom em três ou quatro dimensões, que dá uma imagem mais detalhada do bebê e é capaz de detectar problemas como o lábio leporino, por exemplo.
O que é analisado: Número de fetos e estática fetal
Amniocidade e Corionicidade
Avaliação do volume de Líquido Amniótico (Índice de Phelan e maior bolsão)
Localização placentária
Grau Placentário
Medida do Colo uterino (via transvaginal)
Morfologia Fetal (18-24 semanas)
Pólo cefálico
Cérebro
Face
Coluna
Nuca (prega cutânea occipital)
Tórax
Coração
Abdome
Aparelho Genito-urinário
Trato Gastro-intestinal
Extremidades
Atividade e ritmo cardíaco
Biometria fetal completa
DBP, DOF, CC
Diâmetro Transverso Cerebelo, Cisterna Magna
Diâmetro Inter-orbitário e extra-orbitário
Circunferência Tórax, Coração e Abdome
Relação Circ. Torácica/Circ. Cardíaca
Osso Nasal
Avaliação Cardíaca (Saída Aorta e Pulmonar)
Avaliação Renal (medidas Rins e Bexiga)
Ossos Longos (Fêmur, Úmero, Tíbia, Fíbula, Rádio, Ulna e Comprimento Pés)
Falange distal do 5o dedo
Relações biométricas (DBP/DOF; CC/CA e DBP/CF) 
Fontes: http://brasil.babycenter.com/pregnancy/pre-natal/ultra-som/tudo-sobre-ultra-sons/
http://www.centrus.com.br/informacoes/us-morfo/morfo-01.htm

29 de fevereiro

Eu to amando acordar sem o dia tá escuro como no horário de verão, graças a Deus acabou.
Bom, 29 de fevereiro, dia atípico, para muitos o dia do seu aniversário de 4 em 4 anos, para outros o fevereiro que as mulheres ganham um dia a mais pra falarem, pra outros só mais um dia e o último dia de mais um mês. 
Para mim, mais um dia que eu "ganho", mais um dia de vitória nesta longa jornada dos 9 mêses, mais um dia que eu posso pedir a Deus. Fevereiro passou rápido pra mim, na verdade, não tenho visto as semanas passarem, está tudo tão rápido que nem estou percebendo, já cheguei a me perder dentro da própria semana...
Fevereiro também foi o mês que completou-se 1 ano e 1 mês que meu filho se foi e sentimos muito ainda, o que conforta e saber que ele está em um "lugar melhor', na condição de anjo. 
29 de fevereiro, um outro post deste, só daqui a 4 anos, até lá amigas...

Chata é pouco...mamãe diz: o que eu vou fazer com os bebês!!!

Sempre fui nojenta, minha mãe conta fatos hilários da minha infância, tipo: quando eu espirrava e saia "caca" eu saia gritando pedindo ela pra limpar, como se fosse um monstro que tivesse saído...Outra coisa, até os 11 anos de idade( e nem faz tanto tempo kkkkk) eu morei em fazenda, mas eu não tinha nada de menina de fazenda, nunca botei os pezinhos no chão, chegar perto de uma vaca, nem no sonho, mamãe diz que quando meu pai insistia e me levava perto do curral eu saia de lá em menos de um segundo porque achava as vacas fedorentas...
Mas o tempo passou e eu consegui piorar, sou muito, mas muito nojenta, cheia de "tics", de nóias, de frescura. Ultimamente tenho estado pior, acho que é reflexo da cabeça kkkkk...Pra terem uma idéia, eu lavo com bucha e detergente as embalagens dos alimentos depois da compra do supermercado, caixa de leite, iogurte, enlatados, meu marido fala que so falta eu lavar as embalagens de biscoitos, mas to me contendo. Legumes e frutas eu lavo, lavo, lavo e lavo e mesmo assim acho que estou ingerindo uma colônia de bactérias. Esses dias eu fiz uma grande descoberta, coisa que não tava fazendo, sabe quando vamos cozinhar batatas, então, eu dei agora de esfregá-las com bucha antes de botar na panela, imagina o que esta bata andou e visitou antes de chegar até minha panela, pelo que me recordo, elas vem em sacos gigantes, sem nehuma higiene kkkkk. A casa, se eu pudesse eu passava alcool em tudo, mas eu me contenho...banheiro, meu Deus é o criadouro das bacterias, eu sempre lavei as maçanetas das portas, e vi isso em um programa de tv. 
Bom, diante de toda loucura, minha mãe fala que imagina o que eu vou fazer com meus bebezinhos, ela, que ja está se preparando pra hospedar aqui pra me ajudar no resguardo, diz que ja preparou  a máscara cirúrgica,a touca de cabelo, luvas e um jaleco branco pra cuidar da gente, kkkkkkkkkk e ela morre de rir. Ela diz tambem que quando eu era bebezinha eu soltei um jato fulminate de cocô na cara dela e que eu to devendo isso, "espere que você vai receber o jato agora em dose dupla" ....
Mas as nóias continuam, se eu for contar tudo que faço, não vai caber aqui no post. Preciso melhorar, talvez um psicólogo, se o mundo fosse assim, tão cheio de bactérias assassinas, todos já tinham morrido...Vou melhorar, vou me libertar.

Cólicas na gravidez


PRA COMEÇAR, EU ADORO O SITE BABYCENTER, É INFORMATIVO E QUASE SEMPRE ENCONTRO TUDO LÁ. 
HOJE PENSEI SOBRE ESTE ASSUNTO, AFINAL QUEM TÁ GRÁVIDA SE ASSUSTA COM QUALQUER DORZINHA, ENTÃO VALE A PENA LER, MAS DEIXO CLARO, AO SINAL DE QUALQUER MUDANÇA NO CURSO DA GRAVIDEZ O MELHOR É PROCURAR O MÉDICO.
Ponto principal: dores na barriga quase nunca são sinal de um problema grave. Fale com o médico se você tiver outros sintomas como sangramento, febre ou aumento de secreção vaginal.


É normal sentir cólica na gravidez? Sim, é normal. Carregar um bebê na barriga pressiona os músculos, ligamentos, veias e os outros tecidos internos do seu corpo, portanto não é de surpreender que você fique desconfortável.
A maior parte dessas dores melhora se você mudar de posição ou encontrar uma forma de relaxar. No entanto, se houver outros sintomas, como febre, sangramentos, calafrios, vômitos e dor ao urinar, pode ser sinal de um problema mais sério e você deve procurar orientação médica imediatamente.
Há algo que eu possa fazer para melhorar a cólica na gravidez? Sim, você pode tomar algumas medidas para amenizar a dor. Comece tentando identificar a causa:
Distensão nos ligamentos:
O que você pode sentir: Cólicas leves de um lado ou dos dois lados.
Qual é a causa: Os ligamentos estão se distendendo para sustentar o útero, que está crescendo.
Quando pode acontecer: Desde o comecinho até o fim da gravidez.
O que fazer: Sente-se ou deite e coloque os pés para cima. Descansar quando a dor aparece costuma aliviar a cólica. O médico pode receitar analgésicos ou antiespasmódicos. Mas só tome remédio sob orientação expressa do médico que acompanha sua gravidez.
Orgasmo: O que você pode sentir: Cólica durante e depois do orgasmo, às vezes associada à dor nas costas.
Qual é a causa: As veias da sua região pélvica podem estar sobrecarregadas. Ou você pode estar tensa; muitas pessoas ficam nervosas quando fazem sexo na gravidez.
Quando pode acontecer: A qualquer momento durante a gravidez.
O que fazer: Embora você não precise evitar o sexo numa gravidez normal, é melhor manter um ritmo que seja confortável para você. Uma massagem nas costas depois do orgasmo pode ajudar a amenizar a dor.
Falso trabalho de parto: O que você pode sentir: Cólica e uma dor nas costas persistente.
Qual é a causa: A pressão na região pélvica e no reto.
Quando pode acontecer: Nas últimas semanas da gravidez.
O que fazer: A cólica do falso trabalho de parto é bem mais leve que as contrações do trabalho de parto real. Para algumas mulheres, deitar um pouco é positivo; para outras, uma caminhada mais vigorosa ameniza o incômodo. Bolsa de água quente ou um banho morno (de banheira ou com o jato do chuveiro direcionado para as costas) podem ajudar.
Gases
O que você pode sentir: Dor em qualquer área da barriga, nas costas e até no ombro.
Qual é a causa: Determinados alimentos podem causar acúmulo de gases no sistema digestivo durante a gravidez. Tente lembrar se você comeu alguma coisa que predispõe aos gases (como feijão, brócolis, sorvete).
Quando pode acontecer: Em qualquer momento da gravidez.
O que fazer: O obstetra pode ainda orientá-la a tomar medicamentos seguros antigases, como a dimeticona ou simeticona.
Quando devo procurar o médico?
Se a dor não diminuir depois de alguns minutos de repouso, ou se for acompanhada de sangramento, hemorragia, febre, calafrios, forte secreção vaginal, sensibilidade e dor, ligue para o médico. Veja abaixo alguns problemas mais graves que podem causar cólica:
Gravidez ectópica:
O que você pode sentir: Cólica acompanhada de dor aguda e sensibilidade, normalmente começando em um dos lados e se espalhando pela barriga. Pode haver também um sangramento escuro e aguado e dor forte no ombro.
Qual é a causa: O óvulo fertilizado implantou-se fora do útero: nas tubas uterinas, no ovário, na cavidade abdominal ou no colo do útero.
Quando pode acontecer: Geralmente entre a quarta e a décima semana de gravidez.
O que fazer: Procure ajuda médica imediatamente. A gravidez ectópica pode ser até fatal se não for tratada.
Aborto espontâneo no início da gravidez:
O que você pode sentir: Cólica acompanhada de sangramento e dor no baixo ventre, durante os primeiros três meses da gravidez.
Qual é a causa: No primeiro trimestre, a maioria dos abortos espontâneos acontece porque o feto não está se desenvolvendo como deveria. É raro que eles se devam a algo que a mãe tenha feito ou tenha deixado de fazer.
Quando pode acontecer: Até a 12a semana de gravidez.
O que fazer: Ligue para o médico, deite-se ou sente-se com os pés para cima e tente se acalmar. Se a cólica for acompanhada de hemorragia, vá para o pronto-socorro mais próximo. Depois de examiná-la, o médico vai poder dizer se o aborto já aconteceu, se está acontecendo ou se é só uma ameaça.
Aborto espontâneo tardio:
O que você pode sentir: Cólica acompanhada de forte sangramento.
Qual é a causa: Normalmente é provocado por problemas na placenta, uma doença na mãe ou alguma lesão.
Quando pode acontecer: Entre a 12a e a 23a semana de gravidez.
O que fazer: Se a cólica vier junto com uma hemorragia, ligue para o médico e vá para o pronto-socorro mais próximo. Se tiver acontecido um aborto, pode ser necessário fazer uma curetagem. Caso se trate só de uma ameaça de aborto, o médico pode receitar repouso.
Trabalho de parto prematuro:
O que você pode sentir: Rompimento da bolsa; mudança no tipo de secreção vaginal (mais aguada, com sangue ou parecida com muco) ou aumento na quantidade de secreção; pressão no baixo ventre; dor nas costas constante; cólicas abdominais e/ou diarreia; contrações regulares ou enrijecimento do útero, muitas vezes indolores.
Qual é a causa: Muitos fatores podem provocar o trabalho de parto prematuro, entre eles doenças ou o estresse. Mas muitas vezes a causa é desconhecida.
Quando pode acontecer: A qualquer momento entre a 23a e a 37a semana.
O que fazer: Ligue imediatamente para o médico ou vá para o hospital mais próximo. Lá, uma equipe médica vai tentar interromper o trabalho de parto com remédios e/ou repouso. Se eles conseguirem, você será orientada a tomar medicamentos para conter as contrações e a fazer repouso até o fim da gravidez.
Ter cólicas a partir da 37a semana pode significar que você está nos estágios iniciais do trabalho de parto. Nessa fase, as cólicas não são motivo de preocupação e fazem parte da preparação do seu corpo para o nascimento do bebê. Você pode também sentir dor constante na lombar, causada pela crescente pressão em cima da bacia.

Outras causas para as cólicas Muitas outras condições podem provocar cólicas, se você está grávida ou não. As causas para esse tipo de incômodo abdominal podem ser viroses, intoxicação alimentar, apendicite, pedras nos rins, infecções urinárias e cálculos biliares (mais comuns na gravidez).
Miomas também podem crescer durante a gestação e causar desconforto.
É normal ter cólica nos dias seguintes ao parto? Sim. Muitas mulheres sentem cólicas que pioram quando elas amamentam. As dores são causadas por contrações do útero, que está voltando à posição e ao tamanho que tinha antes da gravidez.
Essas cólicas podem durar até uma semana depois de você ter dado à luz. Se a dor for muito forte, o médico pode prescrever analgésicos. Mas, se a dor persistir ou se você tiver febre, calafrios ou muito sangramento, procure o médico para que ele descarte a possibilidade de uma infecção ou outros problemas do pós-parto.
As contrações não costumam durar mais que uma semana. Vão embora junto com a azia, o enjoo e os muitos desconfortos que você teve de aguentar na gravidez. Você finalmente vai começar a ter seu corpo de volta!
FONTE:http://brasil.babycenter.com/pregnancy/pre-natal/saude/colica/

Pra quem está mudando o blog

Bom dia gente, hoje eu acordei animada, afinal acabou o horário de verão, acordei com o dia claro e as coisas estão fluindo, com luta, mas caminhamos na fé que temos em Deus. 
Bom, tambem hoje eu quero postar sobre mais uma parte da mudança de layout de blog, andei recebendo alguns comentários de amigas que também estão querendo mudar a cara do seu blog, ( eu to procurando até hoje srrsrs), mas pensando nisso, resolvi colocar aqui uns links, um que havia encontrado e que inclusive encontrei este template que estou usando e os outros indicados por minha amiga Débora. 

http://www.layoutparablog.com/

http://www.cantinhodoblog.com.br/search/label/TEMPLATE%20FREE

http://www.cantinhodoblog.com.br/search/label/LAYOUT%20INFANTIL

Mudança no blog

Não se assutem se a cada dia que entrarem aqui tiver um blog com cara diferente, é que estou mudando a aparência do blog, colocando as coisas mais fáceis e claras de visualizar, mas sinceramente até agora não achei um template, um layout que é minha cara. 
Se tiverem dicas por favor me falem onde achar um plano de fundo bem bonito, ah, gosto de coisas bem infantis, como bichinhos, delicados, tenho 30 mas ainda sou menininha...
Agradecida e desculpem os transtrnos com a mudança de aparencia.

"Quem só acredita no visível tem um mundo muito pequeno". 
Caio Fernando Abreu

Vacina antitetânica na gravidez

É verdade que grávida precisa tomar vacina antitetânica?
Escrito para o BabyCenter Brasil

A equipe do BabyCenter responde:

Sim, grávida deve tomar a vacina antitetânica. A única exceção é quando a mulher tem certeza de que tomou pelo menos uma dose da vacina nos últimos cinco anos (caso de quem teve outro filho há menos tempo que isso e já tomou a vacina na gravidez anterior, por exemplo).
Em qualquer outra situação -- se você nunca tomou, não completou as três doses iniciais, não lembra quando recebeu a última dose ou se faz mais de cinco anos desde que a tomou --, você deve tomar a vacina, sim.
Isso porque a vacinação garante a presença, no corpo, de anticorpos contra a bactéria causadora da doença. O bebê também fica protegido, pois recebe os anticorpos da mãe através da placenta.
"Não há problema em tomar a vacina na gestação porque ela é feita de toxina inativa, e não da bactéria", explica a obstetra Eleonora Fonseca, do Conselho Médico do BabyCenter.
Dependendo do seu histórico de vacinação, você vai ter de tomar ou uma dose de reforço, no sétimo mês de gravidez, ou então três doses, a partir do segundo trimestre.
Em primeiro lugar, é preciso entender como funciona o esquema de vacinação contra o tétano em adolescentes e adultos. Quem nunca tomou a vacina precisa tomar o esquema completo, que é dividido em três doses. Quem já tomou o esquema completo quando criança, deveria, na teoria, tomar uma dose de reforço a cada dez anos.
No caso de grávidas, porém, para garantir, a última dose da vacina precisa ter sido tomada há menos de cinco anos.
Se a última vez em que você tomou uma dose da vacina antitetânica foi entre cinco e dez anos antes da gravidez, é recomendado tomar uma dose de reforço no sétimo mês de gestação. Pode ser a vacina antitetânica simples ou a dupla dT, contra difteria e tétano, que é oferecida nos postos de saúde.
Nas demais situações, é preciso tomar o esquema vacinal completo, de três doses. Segundo a infectologista Adriana Melo de Faria, a primeira dose é aplicada normalmente no segundo trimestre, e as demais doses, a intervalos de dois meses, até 20 dias antes da data prevista para o parto. Se não houver tempo para a terceira dose, esta pode ser tomada depois do nascimento do bebê.
Mesmo que o esquema esteja incompleto, as vacinas já tomadas ajudam a proteger a grávida e o bebê, que começa a tomar a vacina antitetânica aos 2 meses de idade (veja no calendário de vacinação do BabyCenter).
Há alguns casos em que a grávida não deve ser vacinada, como quando ela já teve alguma reação alérgica ou tem alguma imunodeficiência, por isso é importante consultar o médico antes de tomar a vacina.
Nas grávidas sem vacinação, o risco é de pegar o tétano pela contaminação através de um machucado. As bactérias podem ser encontradas no solo, na pele, na ponta de pregos enferrujados, nas fezes de animais etc.
Normalmente essas bactérias estão inativas, mas em certos ambientes, como o de ferimentos, liberam toxinas que causam a doença, considerada grave, que tem como características o enrijecimento muscular, convulsões e coma.
Esse risco também existe durante o parto. "Seja no parto normal ou na cesárea, haverá sempre algum corte, pelo qual poderá entrar a bactéria causadora do tétano", explica Marco Aurélio Galletta, chefe de enfermaria da Clínica Obstétrica do Hospital das Clínicas, de São Paulo, e médico da clínica Cligam.
Já o bebê pode ser infectado durante o parto, através do corte no cordão umbilical, ou nos dias seguintes após o nascimento, caso a limpeza do coto umbilical não seja feita de forma adequada.
Chamada de tétano neonatal, esse tétano em bebês era conhecido antigamente como “mal dos 7 dias”, porque a doença se desenvolve rapidamente e o recém-nascido pode morrer em cerca de uma semana.
Atualmente os casos de tétano neonatal são bastante raros, principalmente em grandes centros urbanos, onde hospitais e maternidades têm instalações adequadas, segundo a infectologista pediátrica Adriana Melo de Faria. O risco é maior em áreas rurais do país, onde muitas vezes o parto é feito em casa ou em ambientes precários.
De qualquer maneira, para não correr riscos, é importante ter a vacinação contra o tétano em dia. E isso vale para qualquer pessoa, homem ou mulher, grávida ou não.
fonte: http://brasil.babycenter.com/pregnancy/infeccoes/tetano-vacina/

Campanha de oração 1a semana

Não é por acaso que estamos aqui e é também com muita alegria e amor no coração que venho fazer o post do primeiro dia de nosso clamor a Deus. Creio na nossa vitória e creio também que Deus está nos ouvindo. 
Hoje eu li o salmo 46, que em muitos momentos me "ajudou", me deus forças pra seguir em frente. Juntas em oração venceremos!!!


Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.

Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares.

Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza. (Selá.)

Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo.

Deus está no meio dela; não se abalará. Deus a ajudará, já ao romper da manhã.

Os gentios se embraveceram; os reinos se moveram; ele levantou a sua voz e a terra se derreteu.

O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá.)

Vinde, contemplai as obras do SENHOR; que desolações tem feito na terra!

Ele faz cessar as guerras até ao fim da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo.

Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra.

O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá.)
Salmos 46:1-11

Vídeo: como evitar o parto prematuro

video
ACHEI ESTE PEQUENO VÍDEO SOBRE AS CAUSAS DA PREMATURIDADE E COMO EVITAR. DE MANEIRA BEM SIMPLES E ESCLARECEDORA, VALE APENA CONFERIR.
JÁ FIZ UM POST SOBRE O ASSUNTO AQUI E VEMOS QUE ALGUMAS DAS VEZES PODEMOS PREVER, EVITANDO INFECÇÕES, MEDINDO CO COMPRIMENTO DO COLO DO ÚTERO E O MAIS IMPORTANTE, UM PRE-NATAL BEM FEITO.

CAMPANHA DE ORAÇÃO

A campanha terá a duração de 9 semanas, onde cada semana representará 1 mês de gestação. O objetivo é orarmos umas pelas outras, por nossa gravidez e pelos nossos bebês. E depois contarmos o nossos testemunhos.
OBS: CAMAPANHA DO BLOG DA ROBERTA: 
http://estamosjuntoseoqueimporta.blogspot.com/2012/02/gravidas-em-oracao_16.html
Temos certeza de que Deus escutará o nosso clamor e nos fará grávidas fortes, confiantes e corajosas, pois todas essas coisas virão do Senhor!


Eu já estou participando, e você? 
Quem quiser pode divulgar também, assim, mais futuras mamães poderão participar conosco!


Inicio: 22/02/12

Termino: 18/04/2012
OBS: DEIXE SEU NOME E AS SEMANAS DE GESTAÇÃO

Vídeo emocionante sobre um resultado negativo de uma inseminação artificial

video 

Como disse anteriormente eu achei o vídeo do programa "A liga" da rede Bnadeirantes, que fala sobre várias formas da origem da vida, vou colocar abaixo alguns links do you tube para quem interessar em ver todo o programa, que inclui, uma mãe de quadrigêmos, a mãe que opta pelo parto natural, a mãe que adota uma criança "especial" e este, que trata da trajetoria do casal que tena a inseminação e não dá certo. 
O que eu queria com este vídeo é que quem o ver, mesmo não sendo o seu caso, que o analise com sensibilidade, que consiga compreender o drama de uma casal diante das tentativas que nem sempre são positivas da primeira vez. Eu me emocionei profundamente, pois a mãe que perde o filho, independente do tempo, da forma como foi, sente isso, e nem sempre as pessoas compreendem, julgam...
Eu gostaria de ajudar a todas as mamães de anjos que assim como eu, perdemos nossos filhos, eu, aos 9 mêses, no dia do seu nascimento, esta do vídeo, com uma tentativa que não deu certo. Mas o que tiramos disto tudo é que as coisas nem sempre acontecem da nossa maneira, mas mesmo assim, não podemos desistir, jamais, para muitas, a caminhada é longa, exige muita força, muita coragem, e é isso que estamos desenvolvendo, a coragem, a perseverança e a nossa confiança em deus.
Vou deixar um link abaixo, do programa no you tube, sao várias partes que na barra lateral direita do video vocês poderão clicar e assistir.
http://www.youtube.com/watch?v=Pbfbchg5O6w
http://www.youtube.com/watch?v=VmSjebT1m2E&feature=related

Para refletir e exercitar a fé

Inicio este post de hoje porque penso que vale a pena ouvir histórias como esta, que nos leva a uma refexão, que nos faz exercitar o que temos de fé, de crença...Também sei que Deus "escreve certo por linhas tortas", já diziam nossos pais, e nem sempre entendemos os mistérios dele.
Bom, vamos lá na história que me emocionou muito. Na cidade onde meus pais moram e que morei metade de minha vida, eis que há mais ou menos 3 anos atrás acontece uma tragédia, dois meninos, tio e sobrinho, um com 11 anos e outro com 6 anos saem escondido da mãe para brincarem no rio que corta a cidade e morrem afogados, a mãe não sabia e os meninos sumiram, deu a tarde e nada, e depois de muita procura, desesperados, os parentes e amigos encontraram os corpos dos meninos nas imediações, foi um desespero, uma comoção na cidade. A avó e a mãe ficaram sem consolo...A avó ficou muito mal, chegando até a ficar meio "louca" por um tempo, clamosa, mas sempre confiando em Deus. 
Passados um ano e pouco a avó, recebe a noticia que sua filha caçula que morava em uma cidade vizinha pra estudar engravidou, ela ficou triste, como todas a princípio quando uma adolescente engravida, mas depois tudo voltou ao "normal". A criança nasceu, um lindo menino, que logo ja chamou atenção pela semelhança com o tio , filho da avó que havia morrido. Como a mocinha não tinha condição de cuidar do seu bebezinho, "deixou ele" com a avó, e retornou a cidade para continuar os estudos, visto que ela tinha bolsa pra poder conseguir estudar e não podia perder. 
Hoje em dia o que acontece, a cidade está impressionada como o menino parece com filhinho tão chorado, tão amado que essa avó perdeu, ela hoje cuida dele como filho e diz a todos que Deus "trouxe" o seu filho de volta, e está bem, melhorou da depressão e cuida do nenem que é seu tudo. A outra mãe, filha desta avó, tinha outro filho, não substituiu, mas ela acalmava por ele, hoje se encontra grávida novamente e seguindo sua vida.
O que eu quero dizer com toda esta história, que Deus ouviu o clamor desta avó, que em sua idade avançada não poderia mais engravidar, e sempre clamou a Deus, o que ele fez, com sua infinita misericórdia deixou que a filha dela engravidasse e sem condições, "entregou" o filho pra ela cuidar. 
Eu sinceramente me emocionei quando minha mãe me contou, eu vi que Deus sabe, ele restitui e acalma os corações feridos, explicação para tudo, nunca vamos achar, mas temos a certeza de que ele está no comando. Levando para o nosso caso, que também perdemos nossos bebezinhos, é duro, foi triste, quantas vezes clamamos a Deus, mas temos que crer que a luz vai brilhar em nosas vidas e que a restituição breve virá para todas!!!

Breve comentário sobre inseminação artificial

Bom, não é o meu caso, mas não é um caso desconhecido. 
Primeiramente venho recendo algumas visitas no blog de mulheres que passaram pelo processo, também vejo muitas reportagens e a mais próxima de minha realidade, é uma linda história de uma amiga. Contando brevemente, ela passou por 9 anos de tentativas mal sucedidas de FIV's e quando já não tinha mais forças pra lutar havia desistido, só que pela graça infinita de Deus ela foi surpreendida por uma gravidez "natural", que lhe deu uma linda filha, que já completou 1 aninho de idade. O que quero dizer com esta hstória é que deus opera milagres e que com cada uma acontece de uma maneira, só nunca desistam. Já ssisti um program de tv, (que se achar o video posto aqui) de casais tentantes, que uma hora conseguem. Em uma das passagens deste programa o médico disse algo que me marcou, o consultório dele tinha um enorme painel com as fotos de todos os bebezinhos que ele havia "trazido ao mundo", e de repente, diante daquele casal em questão, que não tinha conseguido a inseminação, ele disse: "estão vendo aquele painel ali, então, vocês nem imaginam o quanto cada casal ali sofreu e lutou para terem seus filhos,a caminhada é longa, e se nao foi desta vez, uma hora será"...Digo a todas vocês amiguinhas que estão vivenciando esta situação, nunca desistam.
Prometo que em tempo hábil eu vou fazer uma pesquisa sobre o assunto e colocarei aqui no blog.






Dores na gravidez

Comigo é assim, gravidez é sinonimo tambem de dor pélvica, sinto ela no púbis, forte mesmo e também e a ciática, as duas srsrsrs.
Achei no BabyCenter este artigo e creio que ajudará bastante.


Estou sentindo muita dor na virilha e no púbis. O que é isso?
A dor na região pélvica é bastante comum durante a gravidez, infelizmente. Cerca de metade das gestantes sofre de algum tipo de dor nas costas ou na pelve.
Durante a gestação, seu corpo produz um hormônio chamado relaxina, que torna mais elásticos os ligamentos na pelve e em outras articulações, com o objetivo de ajudar a passagem do bebê na hora do parto. Por causa da maior elasticidade dos ligamentos, as articulações ficam mais "soltas" ao longo da gravidez (e logo depois também).
Além disso, na gravidez, sua postura e sua força muscular se modificam, assim como a movimentação nos lados direito e esquerdo da pelve. Com tudo isso, as articulações, os ligamentos e os músculos da região pélvica acabam sendo muito pressionados.

E quando a dor é na parte de trás do quadril?
A dor na parte de trás da pelve é frequente na gravidez. O problema também pode ser chamado de dor na junta sacro-ilíaca, porque esse é o nome da articulação onde se iniciam os desconfortos.
Frequentemente, essa dor púbica é confundida com a dor ciática. Pouquíssimas mulheres -- apenas cerca de 1% delas -- apresentam ciática na gravidez. Já se sabe que a maior parte das queixas de dores na região da coluna lombar ou nas pernas durante a gestação vem de problemas na sínfise púbica.
Dores na região da frente do osso púbico também podem acontecer.
Nos casos mais graves, a dor pélvica recebe o nome de disfunção da sínfise púbica. É uma dor que chega a ser incapacitante e precisa de tratamento, às vezes até no hospital. Mas felizmente não é tão comum.
Não sei se é isso que estou sentindo. Como é essa dor pélvica?
Na maioria das vezes, a dor pélvica da gravidez ocorre em apenas um lado e pode se concentrar nas nádegas. Ela pode também dar a impressão de estar "saltando" de um lado para o outro, ou ainda ser acompanhada por uma dor nas costas ou por dor na parte da frente da pelve.
A dor pode ainda se irradiar pelas nádegas ou pela parte de trás das pernas. Você também pode sentir dor nos quadris. Uma perna ou ambas podem parecer mais fracas, ou ainda pode ser que você tenha dificuldades em levantar as pernas, principalmente quando está deitada.
A dor geralmente piora quando você se deita de barriga para cima ou quando se vira na cama. Andar ou se levantar da posição sentada são ações que podem contribuir para a dor. O mal-estar piora à noite e sua intensidade geralmente está relacionada às atividades realizadas durante o dia. Abrir as pernas, principalmente nas posições agachada e deitada, também pode ser muito doloroso.
Existe alguma fase da gravidez em que essa dor é mais comum? A dor pélvica pública pode ter início já no primeiro trimestre da gestação ou pode aparecer nos dias que antecedem o parto. Na maior parte das vezes ela aparece durante o segundo trimestre, quando o peso sobre a bacia passa a ser maior.
Se a dor aparecer no finalzinho da gravidez, talvez seja porque a cabeça de seu bebê esteja se encaixando dentro da pelve. Nesse caso, é raro que a dor volte depois do parto.
Se você sofrer com o problema na gestação, há mais chances de a dor reaparecer na próxima gravidez, talvez em uma fase ainda mais inicial. Se não for tratada, a disfunção da sínfise púbica poderá ser ainda mais grave. Por isso, nos casos em que a dor foi incapacitante, muitos profissionais de saúde recomendam esperar que os problemas da gravidez se atenuem ou desapareçam antes de tentar ter um novo bebê.
Qual é o tratamento adequado?
Há várias táticas que podem ser adotadas para combater a dor na pelve, na virilha e no púbis:
- Tenha cuidado ao realizar suas atividades diárias. Um fisioterapeuta pode ensinar técnicas para você manter a pelve mais estável na hora de realizar movimentos mais doloridos, como caminhar ou ficar em pé.
- Exercícios melhoram a estabilidade da pelve e das costas, principalmente os que trabalham os músculos da barriga e do assoalho pélvico, como pilates.
- Alguns especialistas recomendam o uso de uma cinta de suporte. Para cerca de 80% das gestantes, a cinta pode trazer alívio imediato da dor e pode ser usada com segurança durante toda a gravidez.
- Calcinhas altas com costura de reforço na região abdominal também ajudam a aliviar o peso sobre a bacia.
- A fisioterapia e algumas técnicas de massagem suave podem ajudar a relaxar áreas de tensão da bacia, das costas ou na pelve.
- A acupuntura pode ajudar, mas prefira um médico que tenha experiência no tratamento de gestantes.
A dor na pelve pode atrapalhar na hora do parto? Se você estiver bem orientada e acompanhada, é raro que a dor na pelve ou a disfunção da sínfise púbica provoquem problemas no parto. No parto normal, converse com o médico para tentar achar uma postura mais ereta, que costuma ser mais confortável.
Se a dor for tanta que você não conseguir abrir as pernas, talvez seja melhor conversar com seu médico sobre quais as melhores posições para o parto vaginal.
O que eu posso fazer para aliviar os sintomas?
Há algumas medidas que você pode tomar para amenizar a dor:
- Se você tem dores ao se virar de um lado para o outro na cama, tente a seguinte técnica para se levantar: abrace os joelhos, trazendo-os o mais perto possível do peito; contraia os músculos da barriga e do assoalho pélvico e "role" para a frente para se sentar. Esse movimento ajuda a manter a pelve no lugar.
- Evite ditar de barriga para cima, principalmente com as pernas esticadas. Se tiver que ficar nesta posição, coloque uma toalha ou um travesseiro enrolada atrás das costas, na altura da cintura, e dobre os joelhos. Atenção quando quiser relaxar no sofá ou na banheira, pois eles são um convite para você ficar de barriga para cima. Procure outras posições confortáveis. O mesmo vale para se você for fazer uma massagem.
- Evite fazer qualquer esforço que agrave a dor. Quando a dor piora, ela pode demorar para melhorar depois.
- Ao caminhar, faça um ligeiro arco com as costas e balance os braços, como em uma marcha. Isso também ajuda a fixar a pelve.
- Faça seus exercícios para o assoalho pélvico (exercícios de Kegel) regularmente, pois eles ajudam a fortalecer as articulações da pelve.
- Evite levantar peso ou empurrar objetos pesados como móveis. Até o carrinho do supermercado pode ser um tormento. Sempre que possível, use serviços de entrega dos supermercados ou peça ajuda a alguém.
- Procure descansar sempre que possível. Você pode usar a posição de "gato" (de quatro, com as mãos e joelhos no chão) ou então sentar numa bola de ioga.
- Cuidado para não exagerar no esforço físico. Muitas vezes, você só vai sentir os resultados de um dia agitado na hora de dormir.
- Ás vezes, dormir sobre uma superfície macia ajuda. Tente colocar um edredom bem fofinho debaixo do lençol.
- Ao se vestir, sente-se para tirar e colocar a calcinha e a calça.
- A aplicação de uma bolsa de água quente pode aliviar a dor.

fonte: http://brasil.babycenter.com/pregnancy/pre-natal/saude/dor-pelvica/

Selinho dado por Nanda

Hoje que entendi que deveria colocar o selinho no meu blog, descupla aê querida Nanda e muito obrigada por escolher o meu blog viu...Fiquei muito feliz ao ler o porquê da escolha, saiba que adoro o seu blog também e a você, obrigada mesmo.
"O Liebster Blog é um prêmio dado aos blogueiros u-and-coming, com menos de 200 seguidores. Liebster, em alemão, significa favorito, querido, amado. Desta forma, receber este selo significa que o seu blog é muito querido pelo blogueiro que lhe presenteou."


Quais cosméticos podem ser usados na gravidez

Sempre há a preocupação quando se trata do que pode ou não pode usar na gravidez, acho que grávida tem medo de tudo, de machucar o bebê, de bater a barriga em açgum lugar e também cabe aqui na lista o que usar por causa das temidas estrias. Eu usei a linha "mamãe e bebê" da natura na outra gravidez e amei. Achei este artigo no site BEBE.COM.BR e achei muito esclarecedor.

Não é preciso aposentar todos os cremes de beleza pelos próximos nove meses. Saiba quais devem ficar no armário até o bebê nascer e quais podem ser usados
É verdade que a gravidez conspira a favor da beleza (os cabelos, por exemplo, ficam lindos e brilhantes), mas também traz problemas que exigem cuidados específicos. Tudo em função dos hormônios que entram em cena e causam reações que variam para cada grávida. Algumas mulheres ficam com a pele sensível, seca e sujeita a alergias. Para outras, oleosa e propensa a acne. A microcirculação sanguínea também aumenta, favorecendo a absorção dos ativos. Sem falar na sensibilidade aguçada para cheiros, que pode tornar insuportável até mesmo aquele perfume predileto. "Nessa fase, a mulher tem de rever os cosméticos que usa e substituir alguns por versões mais suaves ou específicas para gestantes", diz o farmacêutico e cosmetólogo Maurício Pupo, de Campinas, coordenador do curso de pós-graduação em cosmetologia da Universidade Camilo Castelo Branco, em São Paulo.
 Na lista de restrições da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), estão três substâncias: cânfora, ureia acima de 3% e chumbo, figurinhas carimbadas em creme para pernas e pés, hidratantes corporais e coloração, respectivamente. "A cânfora pode ser tóxica, causar defeitos no feto e até aborto, dependendo do tempo de exposição", afirma o obstetra Márcio Coslovsky, do Rio de Janeiro, especialista em reprodução humana. Quanto à ureia, há estudos mostrando que ela atravessa a barreira placentária, a grande protetora do bebê, podendo prejudicar a formação e o crescimento dele. "Além disso, o ativo é um bom carreador de substâncias que não deveriam entrar na pele, como os conservantes", completa Pupo. Já o chumbo, de acordo com a dermatologista Carla Góes Souza Pérez, de São Paulo, autora do livro Grávida e Bela (Ediouro), mesmo em baixa concentração, pode interferir no metabolismo, aumentar a pressão arterial e causar intoxicações na mãe, com prejuízos para os rins e os sistemas nervoso e cardiovascular. Os efeitos dependem do período de uso e da sensibilidade de cada mulher. "Também para o bebê, os perigos do contato com esse metal pesado são muitos, incluindo retardo mental, convulsão e até morte", alerta Coslovsky.
  Bye, bye aos ácidos
Os especialistas engrossam a lista do trio proibido pela Anvisa com outros ativos que também podem ser nocivos para mãe e bebê. Os ácidos, encontrados em produtos clareadores, antiacne e anti-idade, são alguns dos que estão na mira. "O ideal é que o retinoico, por exemplo, seja suspenso três meses antes de a mulher engravidar ou assim que ela descobrir que vai ser mãe, para prevenir malformações", avisa Coslovsky.
 
O ginecologista e obstetra José Bento de Souza, dos hospitais Albert Einstein e Maternidade Pró-Matre, em São Paulo, chama a atenção para os ácidos glicólico, em concentrações acima de 10%, e salicílico. "Faltam estudos científicos que garantam a segurança do uso de altas doses de ácido glicólico durante os nove meses. Quanto ao segundo, apesar de não haver pesquisas com humanos, há análises mostrando que ele provoca alterações embrionárias em fetos de ratas em qualquer fase da gestação", justifica.
  Olho neles!
Também devem ir para o fundo do armário os cremes clareadores de pele à base de hidroquinona. Procure a informação na caixa ou entre os ingredientes do rótulo. Faça o mesmo em relação aos produtos que usa para tratar manchas, oleosidade, acne, celulite e gordura localizada. Se tiverem derivados da vitamina A, caso da tretinoína, do adapaleno e da isotretinoína, melhor deixar de lado. Não há estudos conclusivos sobre a segurança desses ativos - e não é agora que você vai arriscar, não é mesmo? "Aconselho descartar ainda os filtros solares com metoxicinamato. Esse elemento pode chegar à circulação e atravessar a placenta", afirma a dermatologista Valéria Marcondes, de São Paulo. No lugar dele, a médica recomenda protetor formulado com óxido de zinco.
  O conservante parabeno, encontrado em desodorantes, maquiagem e xampu, é outro a ser esquecido. "Estudo realizado com roedores mostraram alterações hormonais após exposição excessiva à substância", diz a farmacêutica Juliana S. de Souza, coordenadora de estudos clínicos do Centro Brasileiro de Estudos em Dermatologia, em Porto Alegre. O farmacêutico Maurício Pupo alerta que as grávidas que trabalham com beleza, caso de cabeleireiras e manicures, devem conversar com o médico sobre o fitalato (o mesmo componente dos plásticos que foi recentemente banido das mamadeiras), muito usado em sprays fixadores e esmalte. "Pesquisa publicada em 2009 no Jornal Americano de Andrologia, dos Estados Unidos, revelou que altas doses desse composto causam malformação na genitália dos meninos", completa ele.
  Na hora de passar o pente fino no nécessaire, deixe de lado também os perfumes e as loções com álcool, que irritam a pele. Descarte ainda os nutracêuticos. Mais conhecidos como pílulas da beleza por combaterem os radicais livres que aceleram o envelhecimento, esses suplementos contêm ativos como as vitaminas C, E e do complexo B, além de minerais como zinco, cobre, selênio, ferro, cromo e cálcio. Dependendo da finalidade, vários outros componentes podem estar presentes na fórmula, como licopeno, aminoácidos essenciais, proteínas marinhas, ômegas 3, 6 e 9 e chá verde. "Não há garantia de que esses suplementos de beleza possam ser usados na gravidez. Um risco comum a qualquer multivitamínico ingerido por conta própria é que ele desequilibre a absorção de outros nutrientes, como o ácido fólico, fundamental para a grávida", avisa o obstetra Alfonso Massaguer, professor responsável pelo curso de reprodução humana das Faculdades Metropolitanas Unidas, em São Paulo.
  Arrumando o nécessaire
Se, por acaso, você se deu conta de que utilizou um dos ativos aqui relacionados, não precisa entrar em pânico. Basta suspender o uso imediatamente e conversar com o médico, que vai continuar atento ao resultado dos ultrassons para confirmar se está tudo bem com o bebê. Confira os cosméticos que valem a pena incluir (ou manter) na sua rotina de beleza e aqueles que devem ser aposentados, pelo menos, por enquanto.
  GUARDE • Cremes anti-idade ou clareador com hidroquinona, ácido retinoico ou glicólico acima de 10% • Cremes para gordura localizada • Anticelulite • Coloração • Filtro solar químico • Hidratantes com ureia acima de 3% • Cremes com cânfora para pés e pernas • Antiacne com ácido salicílico ou derivados da vitamina A • Cosméticos e maquiagens com parabeno • Nutracêuticos
 
COMPRE • Filtro solar físico. Boas opções: Ultra Sheer Face Dry-Touch FPS 70, Neutrogena, R$ 44,90; Photoplus Natural FPS 32 Fotoprotetor Tonalizante, Dermatus, R$ 69; e Blockage FPS 30, Dermage, R$ 71 • Hidratante facial sem ácido. Boas opções: Loção Hidratante Facial Chá Verde e Capim Limão, Jequiti, R$ 22,80; Norifusion Multi Vitamin Hidratante para o Rosto FPS 15, Herbalife R$ 68; e Tolérance Extrême Cream, Avène, R$ 70 • Hidratante corporal com manteiga de karité, glicerina ou óleo de amêndoa. Boas opções: Loção Desodorante Corporal Óleo de Coco e Manteiga de Karité, Avon, R$ 8; Johnson's Baby Creme de Hidratação Intensa, Johnson & Johnson, R$ 14,90; e Creme Hidratante para o Corpo com Amêndoas, Jafra, R$ 51 • Óleo corporal de amêndoas. Boas opções: Natural Oil, Nivea, R$ 13,90; Óleo de Amêndoas Doce, Weleda, R$ 30,90; e Óleo de Banho Hidratante Amêndoa, L'Occitane, R$ 110 • Creme antiestrias para gestantes. Boas opções: Gestante Óleo Hidratante, AK Cosméticos, R$ 37,14; Mamie Bella Creme Intensivo para Prevenção de Estrias, O Boticário, R$ 52,90; e Creme Corporal Maternité, Payot, R$ 53 • Perfume e desodorante sem álcool. Boas opções: Desodorante Aerosol Anti-Perspirante, Giovanna Baby Blue, R$ 8,90; Água de Colônia sem Álcool Mamãe e Bebê, Natura, R$ 47,90; e Eau de Toilette O Turquoise, Anna Pegova, R$ 117
fonte: http://bebe.abril.com.br/materia/gravidez-que-cosmeticos-posso-usar

Saiba mais sobre a ameaça de parto prematuro


O que é a ameaça de parto prematuro? Se você começar a ter contrações regulares, que façam seu colo do útero se dilatar ou ficar mais fino, e você ainda não tiver completado 37 semanas, trata-se de uma ameaça de parto prematuro. Sempre que o bebê nasce com menos de 37 semanas de gestação ele é chamado de prematuro.
A ameaça de parto prematuro é apenas isso, uma ameaça. Se você tiver os sintomas, não necessariamente o bebê vai nascer antes do tempo. Até 50% das mulheres que sofrem ameaça de parto prematuro acaba tendo o bebê depois das 37 semanas, ou seja, no tempo considerado normal.
Às vezes o bebê nasce prematuro por opção dos médicos, que acham que ele vai ter melhores condições fora do útero do que dentro. Isso acontece em situações especiais, quando o bebê não está crescendo o quanto deveria, ou quando a mãe está com pré-eclâmpsia.
Na maioria dos casos, porém, o parto prematuro acontece espontaneamente. Ou o trabalho de parto começa antes do tempo, ou a bolsa estoura prematuramente, ou o colo do útero se dilata mesmo sem que haja contrações (na insuficiência do colo uterino).
No Brasil, em 2008, 6,8 por cento dos bebês nascidos vivos vieram ao mundo antes das 37 semanas de gravidez, num total de quase 200 mil bebês prematuros, de acordo com números do Datasus.
Um dos fatores mais comuns para o parto prematuro é a gestação de mais de um bebê.

O que pode acontecer com o bebê que nasce antes da hora?
A maioria dos bebês prematuros nasce entre 34 e 36 semanas de gestação. Quando nasce nessa fase, o bebê corre pouco risco de apresentar problemas, embora provavelmente seja pequeno e precise de ajuda para respirar e mamar.
Crianças que nascem antes das 34 semanas, no entanto, ainda têm que crescer bastante, e seus órgãos internos não estão maduros o suficiente. Elas correm mais risco de ter icterícia e infecções, além de ter dificuldade de equilibrar a temperatura do corpo.
Quanto mais prematuro o bebê, maior o risco de hemorragia cerebral, problemas no sistema nervoso e no gastrointestinal e sequelas na visão e na audição.
Bebês que nascem entre as 22 e as 25 semanas de gravidez hoje em dia têm chance de sobreviver, especialmente em hospitais equipados, mas mais de 50 por cento sofre sequelas permanentes.

Tem algum jeito de impedir o parto prematuro? Se você entrar em trabalho de parto antes das 37 semanas, os médicos vão tentar adiar o parto, com medicamentos e outras medidas, que às vezes são eficazes e às vezes não.
Adiar o parto também é importante para dar a chance à mulher de ter o bebê num hospital que possua UTI neonatal.
De qualquer maneira, uma providência importante é você receber injeções de corticoides para amadurecer os pulmões do bebê mais rápido. Isso não adia o parto, mas deixa o bebê mais preparado para enfrentar o mundo se nascer antes da hora.
Quando o trabalho de parto começa de verdade e pega ritmo, é muito difícil conseguir pará-lo.

Como vou saber se estou com ameaça de parto prematuro?
Procure o médico se você tiver os seguintes sintomas antes de chegar às 37 semanas:
• Muito mais secreção vaginal que o normal.
• Mudança no tipo de secreção vaginal.
• Qualquer sangramento, mesmo que seja só um pinguinho de sangue.
• Mais de quatro contrações em menos de uma hora, mesmo que elas não doam.
• Dor parecida com cólica menstrual.
• Muita pressão na pelve (como se o bebê estivesse empurrando para baixo).
• Dor nas costas, principalmente se for uma dor nova e que venha em ondas.
Muitos desses sintomas são comuns da gravidez, mas é sempre melhor pecar pela cautela. Vale a pena procurar o médico para ter certeza de que não é ameaça de parto prematuro.
Se sua bolsa estourar, ou se você começar a sentir contrações que vão aumentando de intensidade antes das 37 semanas de gravidez, procure imediatamente seu obstetra ou o hospital. Mesmo que seja no meio da noite.
Não espere até amanhecer para telefonar ou ir para o hospital. Peça que alguém a acompanhe, e não vá dirigindo. Até se forem apenas contrações de treinamento, é melhor garantir.

Será que corro o risco de ter parto prematuro? Os médicos ainda têm dificuldade para prever se uma mulher saudável vai entrar em trabalho de parto antes da hora.
Há indicações de que a presença de determinadas bactérias na urina, mesmo que não haja sinais de infecção, represente risco maior de parto prematuro. Por isso, recomenda-se que todas as mulheres façam um exame de urina no início do pré-natal e outro no meio da gestação. Tratar a infecção parece reduzir o risco de parto prematuro.
A vagina também pode ter bactérias, e os especialistas acreditam que elas possam precipitar o trabalho de parto prematuro. Infelizmente, as pesquisas até agora concluíram que, quando não há sinais de infecção, eliminar essas bactérias com antibióticos não ajuda a evitar o parto prematuro.
Veja todos os fatores de risco:
• insuficiência do colo uterino

• infecções na vagina e no trato urinário

• gravidez de gêmeos, trigêmeos ou mais

• certas anormalidades uterinas

• já ter feito cirurgia no colo do útero

• já ter sofrido aborto espontâneo, principalmente entre 16 e 24 semanas de gravidez

• já ter tido parto prematuro

• problemas na placenta, como placenta prévia (ou baixa)

• excesso de líquido amniótico (polidrâmnio)

• estar sob forte estresse por muito tempo

• tabagismo

• uso de drogas, como maconha, ecstasy ou cocaína

• condições de vida precárias (alimentação deficiente, falta de saneamento básico etc.)

• ser vítima de violência doméstica

• já ter feito um aborto

Se eu tiver que ir para o hospital, o que acontecerá lá?

Você será examinada para ver se seu colo do útero está dilatando ou "apagando" (ficando mais fino).
Os médicos também poderão fazer exames para verificar se há alguma infecção:
Pode ser que o médico queira fazer um ultrassom transvaginal para observar seu colo do útero com mais detalhes. Se ele estiver curto, pode ser sinal de que o trabalho de parto realmente tenha começado.
Existe um outro exame que detecta uma substância chamada fibronectina fetal na secreção vaginal entre a 22a e a 36a semana. Quando ela está presente nesta época, são grandes as chances de o bebê estar mesmo a caminho.
Se os médicos ainda estiverem em dúvida, é provável que prefiram internar você por algum tempo para observá-la melhor.
Tem alguma coisa que eu possa fazer para evitar o parto prematuro?

Sim. Para diminuir o risco de parto prematuro, a melhor coisa que você pode fazer é se cuidar. Vá a todas as consultas do pré-natal, acabe com hábitos prejudiciais à saúde (como o fumo) e tente reduzir seu nível de estresse.
Mantenha-se bem hidratada e procure se alimentar bem.
Os médicos costumam recomendar repouso, embora não haja evidências científicas de que ele realmente ajude a evitar o parto prematuro.
Mas saiba também que o parto prematuro é um mistério até para os médicos, portanto, se ocorrer com você, não será por culpa sua. Felizmente as UTIs neonatais estão cada vez mais avançadas para dar todas as chances aos bebezinhos que nascem antes do tempo.

E se o bebê nascer antes da hora? O que acontece com ele?
Quando o bebê nasce entre 34 e 37 semanas de gestação, às vezes não precisa de nenhum tratamento especial. Pode ser até que nem precise ficar na incubadora e já possa ir direto para o quarto, para o alojamento conjunto. Ou talvez fique alguns dias na UTI, só para facilitar a respiração.
Quando o bebê nasce antes das 34 semanas de gestação, ele é levado imediatamente para o centro de tratamento intensivo (CTI ou UTI) neonatal. Os pediatras vão agir rápido, o que pode assustar os pais na sala de parto. É importante lembrar que os médicos têm experiência com esse tipo de caso.
A mãe também pode receber orientações no hospital sobre como manter a produção de leite para o bebê se ele ainda não puder mamar no peito. Ela poderá tirar o leite com uma bombinha ou com as mãos para continuar a fabricar o leite materno.

Várias maternidades contam com bancos de leite, que são muito atuantes no caso de prematuros, tanto para receber leite doado como para fornecê-lo aos bebês que precisem.

Fonte:http://brasil.babycenter.com/pregnancy/parto/ameaca-prematuro/